Magento é uma boa plataforma de e-commerce?

Convertendo tráfego em vendas

Magento é uma boa plataforma de e-commerce?

No e-commerce existem algumas questões frequentemente polêmicas. E a plataforma open source Magento costuma ser uma das mais populares nessas discussões. Eventualmente vem aquela pergunta “Magento é uma boa plataforma de e-commerce?” e se segue uma thread gigante sobre estudos, casos, falácias e anedotas

Por esse motivo, conversei com Ricardo Martins, responsável pelo site Magenteiro e um dos desenvolvedores brasileiros com maior experiência em Magento sobre um assunto peculiar, a plataforma Magento de e-commerce.

Afinal, Magento é uma boa plataforma de e-commerce? Veja aí.

Quem é Ricardo Martins, pode se apresentar? Como você acabou desenvolvendo o site magenteiro?

Sou o Ricardo Martins, tenho 35 anos e trabalho com desenvolvimento web desde 2005 e desde 2011 me dedico ao mundo Magento. Sou também um dos 3 primeiros profissionais certificados pela Magento no Brasil.
O Magenteiro nasceu em 2017 como evolução aos cursos de Magento que eu já publicava em 2015 em outra plataforma. Senti que podia fazer mais, e trazer conteúdo de melhor qualidade com uma plataforma própria e com consistência semanal. Hoje o Magenteiro é o maior.

Muitos empresários que possuem loja em Magento reclamam de dificuldades com suporte e manutenção, normalmente dependendo de desenvolvedores independentes. Qual dica você dá para quem está passando por esse tipo de problema?

Daniel, esta é uma queixa muito comum e justificável. Por ser extremamente flexível e customizável, o Magento não é simples de ser entendido. Pelo fato do Magento ser open source, muitos desenvolvedores subestimam sua complexidade com base em experiências com outros softwares de código aberto. Consequentemente acabam errando em seus orçamentos e tempo de desenvolvimento, comprometendo o projeto.
A curva de aprendizado do Magento é superior à maioria dos softwares open source que já conheci. Meu objetivo com o Magenteiro é tornar o Magento mais acessível e fácil de ser entendido. Isto é, poupar o tempo do desenvolvedor e do lojista que está tentando entender como negócio funciona.
Além dos cursos Magento e conteúdos semanais no Blog do Magenteiro, a maioria dos cursos do Magenteiro possuem grupos exclusivos. Nesses grupos, os alunos (desenvolvedores e lojistas) podem trocar experiências sobre qualquer assunto do mundo Magento, além de encontrar um desenvolvedor parceiro.
Se a verba é curta para contratar uma empresa especializada em Magento, sites de freelancers (como Upwork) podem ser uma boa opção. Neste caso recomendo que busque profissionais com bons feedbacks de trabalhos em Magento ou profissionais certificados.
Se tiver tempo para aprender, certamente colherá bons frutos no médio e longo prazo. Veja por onde começar com Magento.

Eu conheço várias operações grandes bem-sucedidas rodando Magento. Mas, pelos motivos acima, não costumo recomendar a plataforma para pequenos lojistas. Em que casos você recomenda o uso de Magento?

Magento E-commerce
Realmente, Daniel. O Magento nem sempre será a melhor plataforma de e-commerce. O tamanho da loja não é o único fator que levaria em consideração. Muitos lojistas pequenos estão na fase de testar a ideia. Ou seja, testar mercado e ver se o produto dele irá vender na internet.
Configurar uma plataforma de e-commerce por conta própria, ou com um orçamento limitado exige tempo, dedicação e algumas dores de cabeça desnecessárias para quem tem limitações de tempo ou dinheiro. Além disso, a maioria dos lojistas sequer conhece todos os recursos que a plataforma oferece. Acaba sendo um grande desperdício.
O Magento é ideal para quem busca flexibilidade e robustez em uma plataforma de código aberto. A flexibilidade se dá por conta da sua estrutura que permite customizações através de módulos que estendem funcionalidades do core da plataforma. E robustez por ser altamente escalável.
Participei da fase de requisitos e pré-vendas em projetos com diferentes tipos e necessidades. O mais surpreendente é ver que o Magento possui nativamente a maioria dos requisitos. Aquilo que não possui nativamente é facilmente customizável (geralmente).

Na sua opinião, qual é a grande vantagem de usar Magento em seu e-commerce?

A maior vantagem na minha opinião, é se tratar se um software de código aberto, consolidado no mercado e feito para e-commerce. Em outras palavras, é ter a tranquilidade de que estou usando algo que vai suportar meu crescimento e não precisarei me preocupar em trocar de plataforma.
De um lado temos a transparência de ver o que o código que cuida dos nossos pedidos e integrações está fazendo. E do outro, temos um mercado com centenas de milhares de módulos para atender praticamente qualquer necessidade atual ou futura. Isto incluí meios de pagamento, integrações com marketplace, customizações, e muitos outros recursos que não caberiam aqui.
Outra vantagem importante do Magento é sua portabilidade. Se você tem o código-fonte da loja, pode levá-lo para qualquer empresa dar manutenção em qualquer lugar do mundo. E o Magento possuí empresas e especialistas em todo lugar.

Existem algumas soluções de lojas Saas usando Magento. Você conhece elas? Qual sua opinião a respeito?

Conheço mas nunca usei. Soluções Saas são excelentes para quem está começando ou precisa testar um conceito. No entanto, se você precisa de alguma coisa específica, estará sujeito a restrições. Em geral, sua ideia só será implementada se trouxer valor aos outros clientes.
Pode ser uma ótima opção para quem não tem orçamento para contratar uma empresa especializada em Magento ou não quer esquentar a cabeça com atualizações, infraestrutura e outros problemas de quem administra tudo por conta própria.
O importante ao escolher uma solução Saas (Magento ou não) é mensurar o quão difícil será sair dela quando sua loja crescer e essa escolha deixar de ser vantajosa.

Pode me citar pelo menos 1 caso de loja que só poderia funcionar com Magento? O que torna essa operação tão especial?

Excelente pergunta, Daniel. Nos dias de hoje não acho que exista tal loja. O Magento possuí muitos competidores de peso e não consigo imaginar um requisito específico que não possa ser atendido de forma alguma por um de seus competidores.
O que leva o Magento a ser escolhido como plataforma é justamente o que ele já tem nativamente, em conjunto com a facilidade de customizá-lo às suas necessidades.
Embora a maioria dos estudos de caso de lojas famosas feitas em Magento leve em conta recursos disponíveis no Magento Commerce (versão paga do Magento), os pilares da escolha estão em recursos disponíveis também na versão open source.
Uma forma resumida para comparar plataformas de e-commerce poderia ser feita respondendo algumas perguntas:
  1. Quais funcionalidades a plataforma X possui nativamente?
  2. Quais são as funcionalidades essenciais para meu negócio?
  3. Quais os custos iniciais, variáveis e recorrentes desta plataforma? (Hospedagem, comissão, mensalidade, taxas do gateway, manutenção etc)
  4. Das funcionalidades que não encontrei: existe módulo no mercado pra isso? A plataforma X suporta módulos?
  5. Portabilidade: Se eu não gostar, posso mudar? Ou tenho que jogar tudo fora e começar de novo? Posso entregar minha loja pra outra empresa continuar?
  6. Integrações: Quais integrações terei? A plataforma suporta elas nativamente? Tem APIs?
  7. Segurança: Preciso ser PCI compliance? A plataforma atende?
  8. Quando quero lançar minha loja?
Independente da escolha, esses pontos trarão clareza na hora da decisão.

Quais módulos/extensões não podem faltar em um loja Magento? E quais são bacanas?

Mais importante que extensões e módulos é o tema da sua loja. Ele governa a experiência de compra, influencia na decisão e é um grande responsável pelo sucesso da loja. Além disso ele pode impactar positiva ou negativamente no SEO.
Um tema ruim pode trazer lentidão, má experiência mobile e não implementar corretamente tags essenciais para o bom posicionamento da loja nos buscadores.
Quase todos fornecedores de módulos e temas para Magento possuem uma categoria “SEO”. Vale a pena olhar os principais fornecedores, e tomar alguns cuidados na hora de comprar e instalar um novo módulo ou tema.
Para quem já tem algum tráfego e busca um aumento rápido na conversão, minha sugestão é que invista em um bom módulo de checkout. O Firecheckout seria minha resposta nesse sentido, e tive excelentes resultados com ele no Magenteiro. Gostei tanto que fechei uma parceria para dar descontos nele para os alunos do Magenteiro. Outros lojistas com quem já trabalhei reportaram crescimentos de cerca de 30% ao trocar o checkout tradicional por um checkout de uma etapa. No Magenteiro não foi muito diferente.
Outro fator importante e responsável por muita frustração de lojistas com Magento 2 é a hospedagem.  É surpreendente o número de lojas Magento 2 rodando em hospedagens compartilhadas que custam cerca de 5 reais por mês. O resultado é refletido em problemas dos mais diversos tipos, e o investimento em marketing e desenvolvimento é geralmente em vão.

Sobre o Autor

Daniel Bender
Daniel Bender
Autor do Curso de SEO para E-commerce. Consultor de E-commerce e SEO, com mais de 10 anos de experiência em vendas e 20 anos na internet

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *